Solenidade de São Pedro e São Paulo

Meditando a Palavra de Deus.

As ações de Herodes são indicadas com verbos muito precisos e fortes. Ele tem o poder de “prender”, “torturar”, “mandar matar”, “mandar prender”, “colocar na prisão”, “intenção de apresentar”, “manter na prisão”. Ora, tudo isso faz lembrar a escravidão do Egito, onde o Faraó tinha os mesmos poderes de Herodes. Pedro sofre tudo isso e as ações ligadas a ele são da ordem da passividade, da dependência, da submissão: “está preso com correntes”, guardado por “grupos de soldados”, “dormia”. Pedro é a representação mais perfeita da dor da Igreja, da sua perseguição.

O segundo Apóstolo celebrado é São Paulo. Sua palavra a Timóteo não deixa dúvidas sobre as maravilhas realizadas por Deus. Paulo sempre fez questão de recordar às comunidades evangelizadas a importância da manutenção de sua fé. São Mateus, em um texto clássico e fundador, coloca as primeiras pedras de um edifício antigo. O alicerce da sua catequese está calcado na pessoa de Pedro. Ali, a comunidade reconhece o caminho do discípulo, sua primazia e liderança. Celebrar Pedro e Paulo é reconhecer as grandes dificuldades do passado da Igreja. Eles não são os Apóstolos do status, como muito hoje se apregoa como reconhecimento e glória. Eles são Apóstolos de verdade, com sangue derramado e compromisso com uma Igreja ainda em formação.

São Pedro e São Paulo testemunharam a fé e se uniram a Cristo através da coroa do martírio. Lembre-se de rezar pelo Santo Padre o Papa Francisco, sucessor de Pedro e sinal visível da unidade da Igreja. Lembre-se de rezar pelos missionários que, a exemplo de São Paulo, dedicam-se a anunciar o Evangelho.

Dom José Valmor Cesar Teixeira

Bispo da Diocese de São José dos Campos (SP)

(Fonte: Igreja em Oração – Nossa Missa no dia a dia – JULHO DE 2021)
By |2021-07-01T12:11:30-03:0003/07/2021|Artigos, Notícias gerais|0 Comments
X