Schoenstatt - Santuário Tabor da Esperança

(61) 3302-2103

(61) 99828-9800

contato@schoenstattbrasilia.org.br

Palavra do Pastor › 30/03/2019

Reflexão para o 4º Domingo da Quaresma: A Alegria do Perdão

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

O 4º Domingo da Quaresma é denominado “domingo da alegria” ou “Laetare”, palavra latina que se encontra no início da antífona de entrada da missa: “Alegra-te”. O motivo desta alegria nós encontramos na Liturgia da Palavra, especialmente, no Evangelho.

Nós louvamos a Deus, com alegria, porque ele libertou o seu povo da escravidão, conforme o livro de Josué. Nós nos alegramos porque, em Cristo, somos reconciliados com Deus e nos tornamos novas criaturas, segundo proclama São Paulo (2Cor 5,17-21). Nós exultamos de alegria porque Deus é Pai misericordioso, conforme nos ensina Jesus na parábola do Filho Pródigo (Lc 15,1-32).

Essa belíssima parábola deve ser meditada, rezada e vivida por cada um de nós, por cada família e por cada comunidade. Neste “domingo da alegria” e durante a semana, procuremos fazer a leitura orante do capítulo 15 do Evangelho segundo São Lucas, especialmente da parábola do Pai misericordioso. Nós somos convidados a voltar para a casa do Pai, que nos acolhe com o coração e os braços abertos, alegrando-se conosco. Ao mesmo tempo, somos chamados a ser misericordiosos como ele, estendendo a mão a quem necessita levantar-se, perdoando e acolhendo o irmão necessitado de reconciliação e de vida nova. Num mundo marcado por tantas divisões e formas de violência, procuremos promover a reconciliação. Sinta-se abraçado pelo Pai misericordioso, como o filho que retorna a casa, e estenda os braços para acolher o irmão que vive na condição do “filho pródigo”.

Contudo, somente quem faz a experiência da misericórdia do Pai, sentindo-se necessitado do perdão dele e dos irmãos, é capaz de ser misericordioso. O contexto em que a parábola é contada por Jesus faz pensar no modo como tratamos os irmãos que erram. Jesus estava sendo criticado pelos fariseus e mestres da Lei (Lc 15,2) por acolher os pecadores e fazer refeição com eles. A recusa do filho mais velho da parábola retrata bem a atitude amarga dos fariseus, muito diferente do modo de agir misericordioso do Pai.

Nesta Quaresma, faça a experiência da alegria que brota da misericórdia, do perdão e da reconciliação. Ser perdoado e perdoar são as fontes da verdadeira alegria que o Pai misericordioso nos oferece em abundância. Busque o perdão, de modo especial, por meio do Sacramento da Reconciliação. Em todas as Paróquias da Arquidiocese de Brasília, no período quaresmal, há o atendimento das confissões, contando com os padres do próprio Setor, segundo a programação local. Participe! Não deixe passar em vão o tempo da graça!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X