Schoenstatt - Santuário Tabor da Esperança

(61) 3302-2103

(61) 99828-9800

contato@schoenstattbrasilia.org.br

Palavra do Pastor › 08/06/2019

Reflexão para a Solenidade de Pentecostes

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Com a solenidade de Pentecostes, estamos concluindo o Tempo Pascal, suplicando a presença do Espírito Santo. “Enviai o vosso Espírito, Senhor, e renovai a face da terra”, rezamos no Salmo 103. “Daí aos corações vossos sete dons”, pedimos através do hino litúrgico conhecido como “Sequência” de Pentecostes.

Pentecostes era uma festa hebraica, celebrada cinquenta dias após a Páscoa. Era, originalmente, uma festa de caráter agrícola, pois nela se ofertavam a Deus as primícias dos campos. Com o passar do tempo, passou a ser dedicada à celebração da Aliança no Sinai.  Conforme narra o livro dos Atos dos Apóstolos (At 2,1-11), quando era celebrada a antiga festa de Pentecostes, em Jerusalém, no início da pregação apostólica, aconteceu a efusão do Espírito Santo sobre os discípulos reunidos no cenáculo. Por isso, Pentecostes recebeu um novo significado para os cristãos, passando a celebrar a vinda do Espírito Santo.

Nós cremos no Espírito Santo “que procede do Pai e do Filho e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado”, conforme rezamos na fórmula mais longa do “Creio” (Credo Niceno-Constantinopolitano). Nós cremos no Espírito da Verdade, o Defensor, o Consolador (Jo 14,26), que nos ilumina e fortalece na vivência e no testemunho do Evangelho. Por isso, confiantes, suplicamos a sua presença, unidos à Igreja presente no mundo inteiro.

A Liturgia da Palavra nos fala do Espírito Santo. O livro dos Atos dos Apóstolos mostra o Espírito iluminando e animando os discípulos a anunciar o Evangelho, unindo os que falavam línguas diferentes e fazendo-os compreender a pregação dos Apóstolos, “pois cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua” (At 2,8). A unidade das línguas, dom do Espírito, se contrapõe à divisão ocorrida em Babel. S. Paulo também se refere à unidade na diversidade de dons e ministérios provenientes do mesmo Espírito, em vista do bem comum (1Cor 12,5-6), motivando os cristãos a viverem unidos. O Evangelho segundo João, ao relacionar o dom do Espírito ao Senhor Ressuscitado, destaca o perdão e a paz, assim como o envio em missão. “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20,21), afirma Jesus. Assim sendo, nós somos convidados a acolher, hoje, o Espírito da unidade, do perdão e da paz, o Espírito que nos anima e fortalece na vida cristã, especialmente, no testemunho cotidiano da fé. Rezemos, especialmente, pela unidade, concluindo a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.

No próximo sábado, dia 15, teremos a graça da ordenação de nove novos sacerdotes, na Catedral, às 8:30 h. Participe! Reze pelos novos padres!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X