Natividade de Nossa Senhora – 08 de setembro

Deus Pai se ocupa, com grande amor, da vinda de Maria

Natividade de Nossa Senhora – 08 de setembro

Que grande festa no céu e na terra! Nasce a Filha de Deus Pai, que na força do Espírito Santo, é a Mãe de Deus Filho!

Deus, em sua infinita sabedoria, permite-nos, por meio da Sagrada Escritura, conhecer mulheres que representam a prefiguração de Maria, como Raquel, Rute, Judite, Ester, que oram, jejuam, lutam pelo seu povo, vão ao encontro dos mais fracos, confiam em Deus, se colocam a servir, são pacientes e não esmorecem nas lutas. Depois, o Pai faz surgir Maria! Se as antecessoras de Maria, que tem a mancha do pecado, fazem grandiosas obras, Nossa Senhora, ao vir ao mundo, nos oferece nada menos que a salvação. Por sua vinda e, mais tarde, pelo seu SIM, Ela nos dá a nossa salvação, o seu Filho Jesus!

Com o nascimento de Maria, Deus começa a colocar em prática seu plano eterno. Surge no mundo a aurora da salvação! De fato, Maria vem ao mundo para ser a Mãe de Jesus, esposa do Espírito Santo e Filha de Deus, e, por tão grande missão, a Igreja dedica à Ela uma festa litúrgica pelo dia de seu nascimento para o mundo e não somente pelo dia do seu nascimento para o Céu, como é feito com os outros santos.

A Natividade de Maria faz parte das promessas de Deus Pai ao povo escolhido! Não somente a liberdade e a terra que emana leite e mel, como também a vinda do Messias, por meio de uma Virgem da linhagem de Davi.

Assim se refere a Sagrada Escritura sobre a esperança do povo de Israel com o nascimento da Mãe do Messias: “Mas tu, Belém de Éfrata, tão pequena entre os clãs de Judá, é de ti que sairá para mim aquele que é chamado a governar Israel. Suas origens remontam aos tempos antigos, aos dias do longínquo passado. Por isso, Deus os deixará, até o tempo em que der à luz aquela que há de dar à luz” (Mq 5, 1-2).

Um escrito apócrifo do século II, conhecido como Protoevangelho de Santiago, transmite os nomes dos pais de Maria: Joaquim e Ana, que a Igreja inscreveu no Calendário Litúrgico. Algumas tradições situam o lugar do nascimento de Maria na Galileia ou, com maior probabilidade, na cidade santa de Jerusalém. Acredita-se que seus pais não podiam ter filhos, todavia, com muitas orações, lágrimas, jejuns e penitências, eles dão ao mundo a maior colaboradora da redenção humana.

“E a Virgem Santa, a mais excelsa Senhora, a criatura mais amada por Deus, concebida sem pecado original, veio à terra. Nasceu no meio de um profundo silêncio. Dizem que no outono, quando os campos dormem. Nenhum de seus contemporâneos se deu conta do que estava a acontecer. Só os anjos do Céu!”. (J. A. Loarte)

Até Maria nascer, a terra está às escuras, envolta nas trevas do pecado. Com seu nascimento, Deus anuncia ao mundo a esperança na redenção, como um presságio da proximidade do dia. A Igreja, na festa da Natividade de Nossa Senhora, reconhece: “pelo teu nascimento, Virgem Mãe de Deus, anunciaste a alegria a todo o mundo: de ti nasceu o Sol da justiça, Cristo, nosso Deus”. (Ofício de Laudes)

Complementando sobre aquela que precede o Redentor da Humanidade, Pe. Kentenich, fundador da Obra de Schoenstatt, nos ensina: “O Pai gerou o Filho desde toda a eternidade. Assim, a imagem de Maria, no verdadeiro sentido da palavra, foi gerada desde toda a eternidade no espírito do Pai. E, desde a eternidade, o Pai, a Trindade, se ocupou com grande amor com a imagem da querida Mãe de Deus.”

Por Rinara Sabrina Reis

REFERÊNCIAS
Loarte J. A. Maria: uma vida junto a Jesus, A Natividade de Nossa Senhora, in Cavaleiro da Imaculada, ano 41, setembro 2019, página 23
Padre Kentenich, in https://schoenstatt.org.br/2017/09/08/nascimento-de-maria/

By |2021-09-08T09:06:33-03:0008/09/2021|Notícias gerais|0 Comments
X