Rainha dos Lírios! “Ave Maria, por tua pureza conserva puro meu corpo e minha alma…” Pe. José Kentenich

Por Lanna Costa de Carvalho – Dirigente de Ramo da Juventude Feminina de Schoenstatt Brasília – Estamos vivendo o tempo do Advento, tempo de alegria e espera do Menino Jesus que nascerá novamente em nosso coração. A liturgia convida-nos a preparar para esta grande festa com a solenidade da Imaculada Conceição, no dia 08 de dezembro, contemplando a Mãe de Deus, como a toda pura, intacta, sem a mancha do pecado original. A Imaculada é a corporificação do ideal que Deus tem para toda a criatura humana. Isto é, fomos eleitos para viver na sua graça e da plenitude de seu amor. Deus realizou este milagre de preservar Maria do pecado original tendo em vista os méritos de seu Filho Jesus.

Deus preparou a Mãe de seu Filho com a maior de todas as belezas: a santidade. Por isso ela é chamada pelo Anjo de “cheia de graça”. Fomos criados para a santidade. Contudo, essa meta só se cumpre quando o Espírito Santo penetra em nosso ser. A Mãe de Deus alcançou este alto ideal da santidade, porque colaborou ativamente com a graça que lhe foi concedida. Seu SIM foi pronto e fiel, incondicional e cheio de amor.

No santuário contemplamos Maria toda envolta pelo Sol resplandecente do Tabor, que é Cristo. E ali ela, a grande Imaculada, quer formar filhos transfigurados que, à sua semelhança, irradiem as glórias do Tabor. Na pessoa da Imaculada vemos o que o amor é capaz de conseguir quando nos abrimos a Deus com um coração puro e dócil. É, na Mulher transfigurada, Maria, que nos espelhamos quando dizemos que queremos ser “Lírio do Pai, Tabor para o mundo”, vemos tudo aquilo que gostaríamos de ser, todo o grande que aspiramos, ela é a nossa Rainha dos Lírios!

Queremos assemelhar-nos a Mãe Imaculada, pela conquista de um estilo de vida nobre, que se distingue na maneira delicada e autêntica de agir e falar, uma atitude que em tudo procura irradiar a beleza e encanto da dignidade feminina, assim como foi pensada por Deus. Quem nos dera ser como Maria neste tempo, que tem conceitos tão diversificados e até confusos sobre a mulher, o mundo de hoje necessita desses lírios, do testemunho de pequenas Marias.  É do jeito dela, que queremos viver, ser Maria em ponto pequeno, no lugar onde se realiza nosso viver. Ela está diante de nós como nosso grande modelo, a ela nos entregamos, na certeza de que, por sua intercessão e educação, podemos nos tornar pequenos Lírios do Pai e nos tornaremos um Tabor para o Mundo.

By |2018-12-07T14:05:04-02:0007/12/2018|Artigos, Juventude Feminina|0 Comments
X