Schoenstatt - Santuário Tabor da Esperança

(61) 3302-2103

(61) 99828-9800

contato@schoenstattbrasilia.org.br

Notícias gerais › 09/04/2019

Maria nos educa para a filialidade heroica

“Ela é a balança do mundo; por seu ser e sua missão, ela mantém o mundo em equilíbrio”, diz Pe. José Kentenich.

Ir. M. Marcia Carmo da Silva – Diante de uma grande dificuldade é preciso agarrar-se com toda a força em algo ou alguém que nos dê segurança. Assim relatam alguns sobreviventes da tragédia de Brumadinho/MG:

Antônio França, de 55 anos, conta que segurou em uma viga para não ser arrastado por lama.

Ronan Otávio Gomes Santos, de 14 anos, nadava em uma lagoa quando foi levado pelo lamaçal, num trecho de aproximadamente 500 metros. Para se salvar, o jovem se agarrou num coqueiro.

Paola Prates, 22 anos, conseguiu sobreviver porque, quando estava sendo arrastada pela lama, um homem, identificado como Claudiney Coutinho, arremessou uma corda para resgatá-la.

Eles tiveram onde se segurar, por isso não foram arrastados pela lama. Assim também, quando a lama do mecanicismo, da massificação, tenta nos levar, é preciso encontrar um apoio, alguém que nos ajude a vencer a enxurrada.

A filialidade heroica é o caminho que nos ajuda a subir até Deus e nos dá força para lutar contra o pensar, amar e viver mecanicista. Ser filho heroico é uma atitude que não conquistamos sozinhos. “Na vida fragmentada de hoje, onde nos arriscamos a perder o fio da meada, é essencial o abraço da Mãe” , diz o Papa Francisco, que explica: “Sem Mãe, não podemos ser filhos” .

“Maria é o modelo da autêntica filialidade” , diz o Pe. José Kentenich. Ela desperta o filho adormecido em nosso coração e nos ensina a viver a filiação divina, na perfeita união entre natural e sobrenatural. Essa realidade ele experimentou em sua própria vida: “Essa foi a luta pessoal da minha juventude. Nela eu pude vencer aquilo que hoje inquieta o Ocidente até suas profundas raízes. Deus me deu inteligência clara. Por isso tive que passar, durante anos, por provas de fé. O que conservou minha fé durante esses anos foi um simples e profundo amor a Maria”.

“Maria é remédio para a solidão e a desagregação”, diz o Papa Francisco. Ela nos ensina a experimentarmos a misericórdia de Deus, em nossa vida, e nos ajuda a permanecermos firmes diante dos ventos contrários, que tentam nos arrastar e desviar do caminho.

Em Schoenstatt, a entrega filial à Maria transformou um pequeno grupo de seminaristas em heróis, que anunciaram o amor à Mãe de Deus em meio aos campos de batalha. Assim acontece também com muitos outros que, pela Aliança de Amor, são educados pela Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt.

Podemos refletir:

– Quais são as enxurradas que tentam me arrastar?

– Nessas situações procuro superar sozinho ou tenho onde me segurar?

– Deixo-me educar por Maria?

Em schoenstatt.org.br

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X