Ir. M. Emilie Engel, reflexo de Cristo

“Seja louvada a Divina providência em minha vida. Glorificadas sejam as misericórdias de Deus e da Mãe de Deus. Por toda a eternidade, quero cantar um hino de louvor ao amor misericordioso do Pai e da Mãe – ser um holocausto de louvor à misericórdia”.

Ano passado  celebramos os cem anos da entrada das mulheres em Schoenstatt, com isso, queremos voltar o nosso olhar às mulheres  que, ao longo da nossa história, deixaram marcas pela vivência de Aliança de Amor com a Mãe Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt.

Tem pessoas que, só pelo olhar, elevam. São pessoas comuns, que atuam em qualquer campo de trabalho, como professora, em hospital, nos mais simples afazeres, mas que carregam um segredo particular: elas irradiam, em seus traços, a experiência que fizeram com o amor de Deus.

Temos em nossa frente a venerável Ir. M. Emilie Engel, a sua vida sacrifical e a sua fiel e estreita relação com Deus Pai através da fé prática na Divina Providência.

Em 1921 ela participa do primeiro congresso para mulheres em Schoenstatt/Vallendar, que se tornou o início de decisiva mudança no curso de sua vida. Incorpora-se à União Apostólica Feminina, selando, em 16 de abril de 1925, sua Aliança de Amor com a Mãe Três Vezes Admirável.

Em 1926 colocou-se à disposição do Fundador, o Padre José Kentenich para iniciar o Instituto das Irmãs de Maria de Schoenstatt.

Na época em que vivemos, nestes tempos de pandemia, nós, hoje as mulheres de Schoenstatt, temos o diferencial de compreender, de forma tão única, como o bom Deus nos chama e conduz pela Aliança de Amor a sermos personalidades criadoras que deixam um rastro de luz, neste tempo de escuridão e falta de Deus, neste período de isolamento, de uma hora para outra nos vimos rodeados de insegurança, de medo, e também privados da presença de nossos queridos familiares e amigos, da participação da Santa Missa que é o apse de nossa vida. Vimos em nossa frente, um exemplo de uma vida vivida, e já foi constatado que ela viveu as virtudes da fé, da esperança e da caridade de modo que só uma alma inteiramente aberta ao atuar do Espírito Santo pode fazer com tanto heroísmo. Em Ir.M. Emilie , vemos traços da vida de Maria a grande Mulher a nossa querida Mãe de Deus. Assim como Maria, Ir. Emilie também sintonizou a sua vontade na vontade de Deus, o Deus do Amor no qual confiou cegamente.

Por meio de um sorriso, uma palavra ou o simples estar próximo das pessoas, ela fez com que o céu pudesse estar mais próximo de quem a rodeava, por assim dizer o céu toca a realidade mais próxima e torna mais presente em nosso dia a dia. Para isso basta olhar-mos o exemplo de Ir. M. Emilie.

Ir. M. Emilie foi um reflexo de Cristo, em todos os estágios da vida, soube transparecer o divino, na alegria, na confiança,  na vinculação ao próximo, na entrega, na dor, no sofrimento.

Em Ir. M. Emilie vejo um modelo luzente de uma filha da Providencia, com ela, e como ela queremos tornar-nos uma clara luz no céu, no ambiente em que vivemos a fim de atingirmos também o cume da santidade, na vida diária.  É com grande admiração que estamos diante do caminho pelo qual a Divina Providencia à conduziu. Ao contemplar a sua vida descobrimos nela a imagem de Maria, e que aprendeu confiar na bondade de Deus e vê-lo em todos os acontecimentos do dia a dia.

Nós trazemos também o desejo de continuar sua vida heroica no amor, queremos como ela, a cada pulsar do coração responder : ‘Ita Pater – Ita Mater’ (Sim, Pai – Sim, Mãe)”. E viajar em seu trem expresso da filialidade heroica onde vigora a vontade de Deus Pai.

  “Senhor, torna-me madura como um grão de trigo, alimento para os famintos e desvalidos. Que toda minha vida seja uma oferenda, doação total, então, estarei vazia de mim mesma e madura para a eternidade” (Ir. M. Emilie Engel)

Ir. M. Ágata Anita Giehl

By |2021-02-04T14:54:59-03:0006/02/2021|Notícias Tabor da Esperança|0 Comments
X