Evangelizar é entregar a vida para dar vida aos outros

Estamos celebrando a ascensão do Senhor Jesus que, depois de ressuscitado, manifesta-se, durante um tempo, aos seus discípulos e depois vai ao Pai. A ascensão marca o fim das aparições do Ressuscitado: “Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu e sentou-se à direita de Deus” (Mc 16, 19). Estar sentado à direita é a linguagem usada para expressar a glorificação do Filho, que agora está com o Pai e o Espírito, e permanece no meio de nós de uma forma nova. Hoje não se pode encontrar com Jesus da mesma forma que os discípulos o encontraram há dois mil anos, quando conviveram com o Jesus histórico e se colocaram no Seu seguimento pelos caminhos da Palestina, conversaram com Ele, testemunharam os Seus milagres, ouviram a Sua pregação, foram ensinados por Ele, testemunharam a Sua morte e a Sua ressurreição. Enfim, experimentaram com força o mistério da Sua pessoa. Mas Cristo continua a ser encontrado hoje. O próprio Novo Testamento, no texto dos discípulos de Emaús, testemunha que o Ressuscitado deve ser encontrado e experimentado na Palavra proclamada, na Eucaristia, nos sacramentos, no encontro com o irmão (de modo especial nos pobres, aflitos e enfermos), na oração etc[1].

Jesus, antes de ir ao Pai, no Seu último discurso para os discípulos, dá aos discípulos a missão de anunciar o evangelho a todos os povos: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15). Os discípulos devem, agora, levar adiante a missão que Jesus lhes confiou de anunciar o Evangelho. O Evangelho é o próprio Jesus, Ele é a boa-nova de Deus para nós. Jesus mesmo garante o êxito da pregação, quando fala dos sinais que acompanharão aqueles que crerem nEle (Mc 16, 17-18).  A Igreja vem, no decorrer dos séculos, evangelizando, que é a sua missão essencial. A Igreja existe para evangelizar, para anunciar Jesus Cristo.

O Evangelho mostra que os discípulos cumpriram a missão de anunciar Jesus. Os Atos dos Apóstolos terminam com Paulo prisioneiro em Roma. O Evangelho chegou até o centro do mundo de então: Roma.  O Senhor manifestava Sua presença no meio dos Seus, sustentando a missão por meio dos sinais que acompanhavam a pregação dos discípulos.  Ontem foram eles, hoje somos nós que devemos anunciar o Evangelho, fazendo com que Jesus Cristo seja conhecido, amado e adorado.  Todos somos protagonistas desta missão. Cada batizado que se encontrou com Jesus Cristo e vive do amor de Jesus tem a missão de anunciar Jesus Cristo, de evangelizar.

Evangelizar é entregar a vida para dar vida aos outros: “Quando a Igreja faz o apelo ao compromisso evangelizador, não faz mais do que indicar aos cristãos o verdadeiro dinamismo da realização pessoal: ‘Aqui descobrimos outra profunda lei da realidade: a vida se alcança e amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros”[2]. Jesus foi o primeiro e o maior evangelizador.

Tenhamos certeza de que Ele foi ao Pai, mas permanece no meio de nós. Assumamos, hoje, a missão de anunciar e testemunhar Jesus Cristo.  E que neste Dia Mundial das Comunicações Sociais, comuniquemos encontrando as pessoas onde elas estão: o vem e verás (Jo 1, 46), como nos propõe o Papa Francisco.

[1] O Documento dos números 246 a 257 fala dos lugares de encontro com Jesus Cristo.

[2] EG 10.

 

+ Dom Paulo Cezar

By |2021-05-15T14:43:31-03:0015/05/2021|Notícias Tabor da Esperança|0 Comments
X