Encerra-se o Ano Pozzobon – Tempo de desafios e vitórias

Ano João Pozzobon e os 71 anos da Campanha

Juliana Dorigo– Após 730 dias, encerra-se hoje o Ano João Pozzobon, neste dia 10 de setembro, quando a Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt completa 71 anos, desde os primeiros passos do incansável peregrino, em Santa Maria/RS, em 1950. Hoje, encerramos um biênio de desafios, frutos e missão, com o mesmo ardor que inflamava o coração de Pozzobon: “Eu entendi a missão, e por ela a minha entrega foi total”.

Em tempos difíceis, missionários e coordenadores continuaram levando a imagem da Mãe de Deus, mesmo à distância, buscaram novas soluções para acalentar corações que sofriam em meio a pandemia, levando a evangelização e a solidariedade. Na vida de João Pozzobon encontramos diversos relatos sobre o seu empenho, mesmo em momentos difíceis.

“Querida Mãe, se por acaso soprassem os ventos fortes, e fechassem a porta do teu Santuário, um pedido: que não chegue a fechar-se essa porta sem que ali dentro se encerre meu coração. Quero ser sempre teu filho fiel”.[1]

Pozzobon não temia os desafios, confiava plenamente na intercessão da Mãe Três Vezes Admirável. “O fato é que, em 1954, encontrando- se numa situação difícil, teve um gesto filial para com a San­tíssima Virgem: escreveu-lhe uma pequena carta. Pouco de­pois, no seu íntimo, sentiu algo que o levou a escrever o seguinte:

Con­serva a fidelidade e o amor, que tudo será alcançado. Não receies a cruz, porque, através de sacrifícios, encon­trarás as alegrias”[2]

O Ano João Pozzobon encerra com grandes ensinamentos e a verdadeira lição do que significa a palavra “superação”. E assim caminhamos para o encerramento deste momento especial para toda a Família de Schoenstatt, dando continuidade a missão deixada pelo pobre peregrino. A mesma chama que hoje brilha através dos missionários e coordenadores da esforçada Campanha, que faz com que a Mãe Peregrina continue seguindo até o encontro das famílias e daqueles que mais necessitam levando seu filho Jesus, partindo de casa em casa com as graças do Santuário.

“Daqui partiriam no­vas chamas de amor ardente. Já temos aqui muitas chamas ardentes. Este espírito, esta vida, vai levar muitos outros ao caminho do bem, a um caminho de transformação, ao cami­nho da salvação… Não há outro caminho: Maria é o caminho que leva a Jesus, e Jesus ao Pai, ao Deus Trino. (…) O mundo está correndo e procuran­do a libertação. Temos aqui um exemplo de libertação. Se se­guimos esse caminho de Maria, se temos nossa Mãe no cora­ção, somos libertados, encontramos a libertação. Podemos ter certeza de que fomos escolhidos para anunciar a liberda­de. Quero dizer a todos: Muito obrigado! Estamos reunidos num só grande coração, o da Mãe de Deus, da Mãe, Rainha e Vencedora. Ela vence”.[3]

 

Referência:

[1] URIBURU, J. Esteban.Heroi Hoje não amanhã: Vida do pobre peregrino e diácono João Luiz Pozzobon. Santa Maria/RS. Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt, 1991. Pág. 97

[2] Idem 1, pág. 96

[3] Idem 1 e 2, pág. 210 e 213

By |2021-09-10T09:34:04-03:0010/09/2021|Notícias Tabor da Esperança|0 Comments
X