Schoenstatt - Santuário Tabor da Esperança

(61) 3302-2103

(61) 99828-9800

contato@schoenstattbrasilia.org.br

Palavra do Pastor › 22/09/2019

Deus ou o dinheiro?

A parábola do administrador infiel (Lc 16,1-13) necessita ser bem compreendida para não se cair no erro de interpretá-la como favorável à desonestidade. O administrador é chamado a prestar contas da sua administração, pois estava sendo acusado de esbanjar os bens do proprietário. Ao final, ele foi elogiado, não por ser desonesto, mas “porque agiu com esperteza”. A sua atitude faz pensar que “os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz” (Lc 16,8). Diante dos problemas, não se pode ficar acomodado como mero expectador, mas agir com prontidão para superá-los. Diante dos bens materiais, a atitude deve ser a de administração prudente e responsável, ao invés de querer possuir sempre mais ou de obter bens de modo desonesto.

A parábola se completa com uma exortação a ser “fiel nas pequenas coisas” para ser “fiel também nas grandes”, pois quem é injusto nas pequenas coisas, será injusto também nas grandes. É comum as pessoas acharem que pequenas faltas não têm importância no dia a dia. Quando alguém se deixa levar pela infidelidade nas pequenas coisas, acabará caindo em infidelidades maiores, provocando sofrimento para si e para os outros.

A conclusão da parábola não deixa dúvidas sobre a condenação da desonestidade e da ganância na administração dos bens: “vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Lc 16,13), afirma Jesus. Nesta perspectiva, encontra-se a profecia de Amós (Am 8,4-7). Ele condena severamente a desonestidade e as injustiças, ressaltando que Deus não se esquecerá do que estão fazendo contra os pobres: “maltratam os humildes”, “causam a prostração dos pobres da terra”, “dominam os pobres”.

Na Primeira Carta a Timóteo (1Tm 2,1-8), proclamada na segunda leitura, S. Paulo nos recorda a necessidade da oração para a vida pessoal e social, recomendando “que em todo lugar os homens façam orações, erguendo mãos santas, sem ira e sem discussões” (2,8). A oração deve ser acompanhada do esforço para viver na santidade, especialmente, o amor ao próximo, o que inclui a honestidade. As mãos erguidas em oração devem ser também mãos estendidas aos irmãos. Na liturgia eucarística, erguemos as mãos para o Pai, em oração, para logo depois estendê-las aos irmãos, desejando-lhes a paz.

A Palavra de Deus deve ser acolhida e vivida para que possamos servir a Deus e não ao dinheiro. É preciso deixar-se interpelar por ela, procurando discernir o que Deus quer de nós, a cada dia.  Não se esqueça de continuar a ler e a meditar a Palavra durante a semana, especialmente, neste mês dedicado à Bíblia.

 

+ Dom Sergio da Rocha

Cardeal Arcebispo de Brasília

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X