Ano de São José, Ano da Graça!

Papa Francisco proclama São José no ano em que se completam 150 anos da declaração como padroeiro da Igreja Católica, que foi instituída pelo Beato Pio IX, em 8 de dezembro de 1870.

No último retiro da Campanha, que se deu em 13 de dezembro de 2020, São José foi proclamado patrono dos missionários porque foi o primeiro a acolher Maria. José, humilde carpinteiro, assumiu a paternidade de Jesus: “não tenhais medo, porque a fé dá significado a todos os acontecimentos” (Papa Francisco).

Neste ano de pandemia de Covid-19, o Santuário Tabor da Esperança não parou, mas se adaptou conforme as exigências das regras de saúde. Todas as datas comemorativas foram celebradas intensamente, apesar das restrições.

Em geral, comemora-se o aniversário do Santuário em março; em maio, as festas marianas; em junho, o Corpus Christi; em agosto, a Assunção de Maria; em outubro, o aniversario de fundação do movimento de Schoenstatt (Aliança de Amor) e outras programações dos ramos do movimento, que foram realizadas com muito amor. O isolamento social não paralisou as atividades, pelo contrário, caminhou-se com muita fé na providência divina.

Na Carta Apostólica “Patris Corde”, em 2020, Papa Francisco declarou São José como padroeiro universal da Igreja.

O Papa escreve: “depois de Maria, a mãe de Deus, nenhum santo ocupa tanto espaço no magistério pontifício como São José, seu esposo”. Além de “patrono da Igreja”, declarado pelo Beato Pio IX, São José é conhecido por outros títulos: Pio XII proclamou-o “padroeiro dos operários”; São João Paulo II declarou-o “guardião do Redentor”; e o povo invocou-o como “padroeiro da boa morte”.

Dado o atual momento de pandemia, no qual tantos profissionais se doam e se entregam ao próximo em silêncio, sem holofotes, sem aparecerem para a mídia, Papa Francisco faz uma comparação desses profissionais com São José, que assumiu o seu protagonismo na história da salvação sem precisar aparecer. No silêncio, cumpriu sua missão.

Na Campanha da Mãe Peregrina, em uma homilia, o Pe. Ricardo Henrique, a partir da passagem “Ele não era luz, mas veio para dar testemunho da luz” (Jo1,6-8. 19-28), afirma que temos que ser sempre testemunhas da luz, fazendo tudo o que Ele disser. São José, com um coração de pai, acolhe sem excluir, e, com confiança na providência divina, protege Jesus e Maria. Esse é o modelo para o missionário indicado no retiro.

Por fim, no envio desse mesmo retiro, ficou como sugestão aos missionários da Campanha, para o ano que foi proclamado a São José, rezar o terço dele e suas orações específicas.

Por Rita de Cácia

By |2021-01-04T13:35:16-03:0004/01/2021|Notícias Tabor da Esperança|0 Comments
X