25 anos da Vida Consagrada

Na festa da Apresentação do Senhor, 2 de fevereiro de 1997 o Papa João Paulo II instituiu o Dia da Vida Consagrada.

Hoje celebramos os 25 anos juntamente com a (CRB-Conferência dos Religiosos do Brasil; CNISB – Conferência dos Institutos Seculares do Brasil e a PAV – Pastoral de Animação Vocacional) o verdadeiro sentido e compromisso da Vida Consagrada a Deus.

Poderíamos nos perguntar: como celebrar com júbilo os 25 anos do Dia da Vida Consagrada num tempo que se chama hoje, marcado especialmente pela terrível pandemia do Covid-19 e suas nebulosas consequências que afligem a humanidade, particularmente os mais pobres e excluídos? Como celebrar, com alegria e reencanto, o jubileu de prata do Dia da Vida Consagrada em meio ao luto de tantas famílias, congregações e institutos seculares pela perda de milhares de irmãos e irmãs? Como celebrar com fé e esperança a preciosidade do Dia da Vida Consagrada permeado pelo distanciamento social.

Em meio a essa triste e dura travessia, a humanidade foi presenteada, pelo Papa Francisco, no final do ano de 2020, com a Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a Fraternidade e a Amizade Social. Um presente universal, com palavras de denúncias de uma realidade que se opõe ao Projeto de Deus, mas, acima de tudo, com palavras propagadoras de ESPERANÇA, de uma esperança que ultrapassa toda e qualquer barreira. Dos Conselhos que São Francisco oferecia a seus irmãos e irmãs para lhes propor uma forma de vida com o sabor do Evangelho – assim o Papa Francisco inicia a Carta – “quero destacar o convite a um amor que ultrapassa as barreiras da geografia e do espaço.”Somos todos irmãos! Poucas e simples palavras sobre “o essencial de uma fraternidade aberta, que permite reconhecer, valorizar e amar a todas as pessoas, independentemente da sua proximidade física, do ponto da terra em que cada uma nasceu ou habita” (Fratelli Tutti 1).

Esse presente, com suas palavras norteadoras de um novo horizonte, convida-nos a pensar e lutar por uma Vida Consagrada cada vez mais aprendiz, especialmente nesse contexto, interpelada a aprender da tragédia global como a pandemia. Quantos aprendizados já aconteceram desde o início da batalha contra o coronavírus. Um deles foi ter que reinventar novas formas de nos relacionar, encontrar, celebrar, trabalhar e solidarizar, com criatividade, dentro das redes sociais no espaço virtual, sentindo a vida pulsar de forma real.

Nesse ano jubilar somos convidados a deixar que o AMOR desperte em nós a consciência de sermos uma Vida Religiosa Consagrada universal, interdependente de tudo e de todos. É como gostamos de cantar: “Tudo está interligado, como se fôssemos um!” Que o AMOR nos sensibilize, cada vez mais, a sermos uma Vida Consagrada em saída, de mulheres e homens que têm pressa e disposição para correr ao encontro da vida que clama.

Nesta celebração do jubileu de prata do Dia da Vida Consagrada, é tempo de nos deixarmos inspirar pelo Evangelho do dia. Como o Velho Simeão, pegar Jesus no colo e, com gratidão, rezar: “Agora, Senhor, podes deixar teu servo partir em paz, porque meus olhos viram a tua salvação!” (Lc 2,29-30). Agora, Senhor, podes deixar a Vida Religiosa Consagrada partir em paz, porque milhares de mulheres e homens consagrados já viram a vossa Salvação. Partir em paz como Consagrados e Consagradas em missão, sem deixar de contemplar o passado com gratidão, viver o presente com paixão, e o futuro com esperança. ESPERANÇA, da qual nos recorda o Papa Francisco na Fratelli Tutti: “Convido à esperança que ‘nos fala de uma realidade cuja raiz está no mais fundo do ser humano, independentemente das circunstâncias concretas e dos condicionamentos históricos em que vive. Fala-nos de uma sede, de uma aspiração, de um anseio de plenitude, de vida bem sucedida, de querer agarrar o que é grande, o que enche o coração e eleva o espírito para coisas grandes, como a verdade, a bondade e a beleza, a justiça e o amor. (…) A esperança é ousada, sabe olhar para além das comodidades pessoais, das pequenas seguranças e compensações que reduzem o horizonte, para se abrir aos grandes ideais que tornam a vida mais bela e digna’. Caminhemos na esperança!” (n. 55).

 

Fonte: Tríduo preparatório para o 25º Dia da Vida Consagrada (30 de janeiro a 1º de fevereiro de 2021) A Vida Consagrada
no coração da Igreja: testemunhas de uma certeza

By |2021-02-02T11:19:08-03:0002/02/2021|Notícias Tabor da Esperança|0 Comments
X